segunda-feira, 21 de março de 2016

AS TÊMPORAS: JEJUNS DA IGREJA NAS QUATRO ESTAÇÕES DO ANO

As Quatro Têmporas trata-se de tempos litúrgicos aos quais a Igreja dedica a penitência, a oração e a esmola. Provavelmente relacionada ao trabalho dos homens no campos, que tinham suas vidas mudadas de acordo com as Estações do Ano. Acredita-se que teriam surgido com a cristianização da Europa pagã por volta dos séculos III e IV. O Papa Gregório fixou as Têmporas da seguinte forma:

  • 3ª Semana do Advento (Têmporas do Advento)
  • 1ª Semana da quaresma (Têmporas da Quaresma)
  • Semana de Pentecostes (Têmporas de Pentecostes)
  • Semana do 17º Domingo depois de Pentecostes (Têmporas de Setembro)

Para termos uma noção mais simplificada sobre as têmporas, seria basicamente uma mini-quaresma, quatro vezes ao ano. Nesse período, dedicamos nossas práticas de piedade pedindo perdão pelos pecados cometidos, e em ação de graças pelos dons concedidos por Ele a nós.  

Há alguns bons textos que falam sobre as Têmporas, os quais queremos compartilhar com o leitor, para conhecimento e reflexão:
As Quatro Têmporas representam uma velha tradição, muito querida da Igreja romana. Quatro vezes no ano, na mudança das estações, se consagravam três dias da semana – quarta, sexta e sábado – ao jejum e à oração, a fim de evocar as bênçãos de Deus para a nova estação e para as Ordenações, que tinham lugar na vigília de sábado para domingo.

As Quatro Têmporas de Setembro são conjuntamente dias de jejum e momentos de jubilosa ação e graças. Lembram aos Judeus a dupla promulgação da Lei, à saída do Egito e depois do cativeiro da Babilônia. Lembram aos Cristãos a proteção permanente de Deus concedida a seu povo, e a sua libertação. A ação de graças pelas colheitas do ano vai unir-se à evocação dos antigos benefícios de Deus.

“Missal Romano Quotidiano”. Dom Gaspar Lefebvre e os Monges Beneditinos de S. André. Bruges, Bélgica. Edição Bíblica. Abadia de S. André, 1963, p. 21 e 670. 
* * *
Para iniciar de maneira mais piedosa as quatro estações do ano, já nos primeiros tempos eram celebradas as Têmporas. Estes dias são sempre a quarta-feira, a sexta e o sábado, e são dedicados ao jejum e à oração. Foram instituídos para agradecer a Deus as colheitas e para implorar novas bênçãos do Senhor nas searas futuras. O dia mais solene era o sábado e ainda hoje é o dia preferido para as ordenações sagradas. É portanto de sumo interesse para os fiéis que nestes dias implorem a Deus a dádiva de Pastores zelosos para o rebanho do Senhor. Além deste característico comum, as Têmporas ainda influem no tempo do ano em que são celebradas. As primeiras são na 3ª semana do Advento [depois de Santa Luzia – dia 13]; as segundas, na 2ª semana da Quaresma [primeira quarta-feira depois das Cinzas, ou seja, depois do 1º Domingo de Quaresma]; as terceiras, na Oitava de Pentecostes; e as últimas, sempre na quarta-feira depois de 14 de setembro [dia da Exaltação da Santa Cruz].

Missal Quotidiano”. Edição A. Dom Beda Keckeis O.S.B. Mosteiro São Bento. Bahia. 1947, pp. 17-18
* * *
Têmporas, jejuns da Igreja nas quatro Estações do ano, por tempo de três dias de uma semana em cada estação; a saber, quarta, sexta e sábado. Alguns atribuem a instituição dos três jejuns por ano aos Apóstolos; outros, ao Papa Calixto I. É certo que o jejum das quatro Estações do ano foi estabelecido na Igreja Romana no tempo de São Leão Papa; a saber, o da Primavera, na Quaresma; o do Estio (Verão), antes do Espírito Santo; o do Outono (lembre-se que se fala do hemisfério norte), no sétimo mês; e o do Inverno, no décimo mês. O Papa Gregório VII, no fim do século undécimo, ordenou que o jejum de Março se observaria na 1ª semana da Quaresma; o de Junho, na Oitava do Espírito Santo; e os de Setembro e Dezembro, nos dias em que se fazia antes. Os jejuns das Quatro Têmporas não foram instituídos somente para consagrar a Deus as quatro partes do ano, pela mortificação e a penitência, como diz S. Leão, e para alcançar as bênçãos de Deus nestas quatro Estações, mas também para implorar a graça do Espírito Santo nas Ordens dos Sacerdotes e Diáconos, que se faziam nos sábados destas Quatro Têmporas.

“Novo Dicionário das Línguas Portugueza e Franceza, com termos latinos...”. Pe. Joseph Marques. Lisboa. Francisco Luiz Ameno Editor. 1764. 1ª Edição, Tomo II, p. 711 (PDF)
* * *
O profeta Amós tinha anunciado a destruição de Jerusalém e a sua próxima reedificação. Com efeito, Nenemias reconduziu as tribos de Babilônia e fez reconstruir a cidade. Quando acabaram os trabalhos, reuniu todo o povo no primeiro dia do sétimo mês e disse-lhes: "Este é o dia do Senhor. Não vos contristeis, pois, porque a alegria do Senhor é a nossa fortaleza". A quarta-feira das têmporas de Setembro, que era outrora o sétimo mês do ano, recorda-nos o faustoso acontecimento da restauração de Jerusalém, na volta do cativeiro, que é a figura da nossa reconstrução em Deus por Jesus Cristo. E este júbilo de resgate anda unido com o recolhimento e a penitência, como a cor roxa dos paramentos o denuncia. A Igreja hoje nos convida ao jejum e à oração, para dominarmos por este meio o espírito da impureza e encontrarmos na Misericórdia Divina o remédio para as nossas faltas.
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960
* * *

Foi o Papa Gregório VII (†1085) quem fixou, em 1078, as Têmporas da forma como descrito acima. As primeiras notícias sobre as Têmporas são dadas por Santo Filástrio, Bispo de Brescia (morto em 387 d.C.) (De haeres., 119), pondo-as entre as maiores festas cristãs. Eram chamadas de “ieiunium vernum”, “ieiunium aestivum”, “ieiunium autumnale” et “ieiunium hiemale”, (digiuno di primavera, d'estate, di autunno e d'inverno). De Roma, as Têmporas se difundiram em todo o Ocidente. A Igreja Ortodoxa nunca as observou. A Gallia (França) e a Espanha só as conheceram a partir do século VIII. Na Britannia (Inglaterra), surgiram curiosamente antes, e fontes cristãs atribuem o fato à presença de Santo Agostinho da Cantuária, um romano diretamente subordinado ao Papa Gregório Magno.

A regra que fixa a ordenação do clero nas Quatro Têmporas se encontra nos documentos tradicionalmente associados ao Papa Gelásio I (492-496). Nas Igreja primitiva, as ordenação ocorriam conforme a necessidade. Crê-se que Gelásio foi o primeiro que quis estabelecer as ordenações a tempos particulares. Encontra-se essa regra estabelecida por Egberto, Arcebispo de York, nos anos 735-766, e definitivamente sancionada como lei da Igreja no Pontificado de Papa Gregório VII, por volta de 1085. Basicamente, trata-se, como vimos, de uma “Miniquaresma”, quatro vezes ao ano, durante a qual nos dedicamos às práticas de piedade para pedirmos o perdão dos pecados cometidos e rezamos em ação de graças pelos dons que Deus nos concedeu.
Curiosidade: O tempura (lê-se tempurá), prato da culinária japonês, deve seu nome às Quatro Têmporas. Tradicionalmente, remonta ao século XVI, com os primeiros contatos entre japoneses e os marinheiros portugueses que levavam consigo missionários cristãos. Uma vez que nesse período os católicos comiam apenas verduras e peixe, e se dedicavam à oração, pediram aos habitantes locais que preparassem para eles um prato adequado às “tempora”. Disso surgiu o termo tempura, que os japoneses utilizam ainda hoje para esse prato. Há quem diga que o nome tenha surgido da palavra portuguesa “tempero”, ou seja, especiaria, mas é pouco provável, uma vez que vários pratos levavam “temperos” naquela época, principalmente porque não havia geladeiras e usavam-se os temperos para disfarçar o gosto das carnes que já estavam passadas.

Créditos ao autor: Texto original Giulia d'Amore - Blog "Pale Ideas"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...