quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

ATAQUES À FAMÍLIA SÃO SUICÍDIO DA HUMANIDADE, DIZ CARDEAL MULLER

Cardeal Gerhard Müller sai em defesa da família: “A diferença entre homem e mulher é uma realidade positiva porque reflete a vontade de Deus na criação”.
A Congregação para a Doutrina da Fé foi a principal responsável pelo colóquio internacional e inter-religioso Humanum, que, por três dias, falou sobre a complementaridade de homem e mulher no casamento.
O prefeito da Congregação, Cardeal Gerhard Müller, falou com o Register no dia 18 de novembro, perto do fim da conferência, para avaliar como o encontro foi conduzido, discutir o que mais pode ser feito para defender o matrimônio e prever como o colóquio poderá complementar o Sínodo dos Bispos sobre a família.
National Catholic Register: Como aconteceu esse colóquio? Ele correspondeu às suas expectativas?
Cardeal Müller: Ele tem ido muito bem até agora. Todas as nossas expectativas foram correspondidas e até superadas! É algo extraordinário que tantas comunidades cristãs e 14 religiões do mundo possam se reunir para dar testemunho de convicções básicas a respeito do matrimônio. Mesmo vindo de diferentes tradições, entendimentos, categorias e concepções, houve uma notável unidade sobre a natureza do matrimônio.
(...)
O que todos nós compartilhamos é um ponto de referência comum na natureza humana, o essencial da existência humana e o relacionamento entre homem e mulher como uma célula, como um ponto de partida para o bem do casal e também das crianças.
(...)
Register: Parece estranho que essa conferência não tenha acontecido antes, que não tenha havido essa ênfase no matrimônio, dado que ele tem estado sob constante ataque pelos últimos 50 anos. Você gostaria de ter visto um evento como esse acontecer mais cedo?
Müller: De fato! Durante este período de mais de um ano em que estivemos preparando o colóquio, nós na Congregação para a Doutrina da Fé ouvimos várias vezes: “Isso é novo” ou “Nós nunca fizemos algo assim antes!”. Talvez esse evento devesse ter acontecido antes, mas agora a crise que enfrenta a família aguçou o nosso senso para o quanto esse tipo de testemunho internacional e inter-religioso é necessário.
O modo como a família é desvalorizada ou ameaçada em vários lugares é como estar à beira de um precipício. Nós devemos parar – e não dar o último passo, que não tem volta. Nos ataques ao matrimônio enquanto união complementar entre homem e mulher, estamos vendo como que um suicídio da própria humanidade, especialmente no Ocidente secularizado – na Europa, nos Estados Unidos, na América do Norte. A diferença entre homem e mulher é uma realidade positiva porque reflete a vontade de Deus na criação, e a vontade de Deus é boa e visa o desenvolvimento humano!
Register: O que pode ser feito, além de uma conferência como essa, para que a maioria silenciosa seja ouvida e para reagir à minoria falante que tenta redefinir o casamento?
Müller: Isso é fundamental. Muitas pessoas têm dado ênfase aos esforços para redefinir o matrimônio ou têm focado os problemas na família. As pessoas pensam que o relacionamento entre homem e mulher é discutido todo o tempo... mas não é. A discussão é sobre sexo ou relações fracassadas, mas não sobre por que homem e mulher foram designados para viver juntos ou como eles complementam e completam um ao outro. É nisto que a vasta maioria das pessoas está interessada: em como tornar o seu casamento melhor, mais forte, mais satisfatório e vivificante.
A maioria silenciosa até agora não entendeu o que está acontecendo na sociedade ou tem sido silenciada pelo uso da palavra ‘discriminação’, aplicada àqueles que querem defender a família tradicional. Mas não podemos dizer que a relação básica entre homem e mulher é apenas um produto social ou cultural, um ‘presente’ de um governo ou um constructo humano. Mais do que isso, ela é uma base. Do mesmo modo, dignidade pessoal e liberdade não são produtos sociais e culturais, mas estão inscritos na nossa própria natureza, como homem e mulher, criados à imagem de Deus.
As crianças, também, não são um produto da sociedade ou um mero objeto do Estado, do governo. Os governos não podem substituir a responsabilidade primordial dos pais para os seus filhos, nem negar às crianças o direito de crescer com uma mãe e um pai.
Register: Em seu discurso, você falou sobre homem e mulher caminhando rumo ao divino, por meio do casamento. Você pode falar mais sobre isso?
Müller: Na tradição católica, o matrimônio é baseado na criação, e essa criação expressa a vontade de Deus. Na história da salvação, Deus enviou o Seu Filho, Jesus Cristo, que é a vontade de Deus encarnada, para a nossa salvação. Em Cristo, o estado natural do casamento, o vínculo natural entre homem e mulher no matrimônio, é elevado a um sacramento, a um sinal e instrumento de Sua graça e de Sua própria relação com a Igreja.
O vínculo de unidade entre o homem e a mulher que se amam, no matrimônio, é expresso pelo amor de Jesus Cristo à Sua Igreja. E esse é um amor de doação, um amor crucificado: que poder há no sagrado matrimônio dos cônjuges para realmente perceber que eles estão diante de um meio, um instrumento, não só para a própria santificação, mas para a divinização de todas as pessoas que entram em contato com o amor divino da Trindade através de sua vida de casados.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...