quinta-feira, 20 de junho de 2013

UM BOM TEXTO SOBRE O "CAPIROTO"! O "COISA RÚIM", OU O "ENCARDIDO" COMO PREFIRIR!

Escrito por Dom Murilo Krieger,

O irlandês C.S.Lewis, escritor e teólogo anglicano, falecido em 1963, deixou-nos textos marcados pela erudição e pelo humor. Em mais de um livro abordou a questão do diabo e, num deles, foi particularmente criativo. Para expressar suas ideias, imaginou um velho diabo escrevendo cartas a seu sobrinho, um diabo jovem, inexperiente; queria que esse sobrinho se tornasse um “bom” diabo.

O subtítulo do livro – “Como um diabo velho instrui um diabo jovem sobre a arte da tentação” – indica aonde o autor queria chegar. O experimentado diabo procurava convencer seu sobrinho de que, na arte de enganar os homens, era fundamental convencê-los de que ele, o diabo, não existia. Convictos os homens disso, a ação do sobrinho seria mais fácil, rápida e eficaz.

Lembrei-me desse livro, editado no Brasil no início da década de 1980 ("Cartas do Coisa-Ruim"), diante de colocações do Papa Francisco, desde que iniciou seu ministério. Ao contrário da forma como muitos tratam esse tema – o afastam ou o incluem no rol das coisas ultrapassadas e inaceitáveis –, o atual papa tem-se referido a ele com frequência. Seu antecessor, Paulo VI, no começo da década de 1970 falou:

"O mal que existe no mundo é ocasião e efeito de uma intervenção em nós e em nossa sociedade de um
agente obscuro e inimigo, o Demônio. O mal não é apenas uma deficiência, mas um ser vivo, espiritual, pervertido e pervertedor. Terrível realidade. Misteriosa e amedrontadora... O Demônio é o inimigo número um, o tentador por excelência. Sabemos que esse ser obscuro e perturbador existe e realmente continua agindo... Sabe insinuar-se em nós, por  meio dos sentidos, da fantasia, da concupiscência... para introduzir desvios” (15.11.72).

Quem vivia naquela época se lembra de que essas afirmações foram uma verdadeira bomba. Por causa delas Paulo VI foi ironizado, acusado de obscurantista e, para mostrar o ridículo de suas afirmações, uma revista semanal brasileira reproduziu inúmeras figuras do Demônio, como a dizer aos leitores: Vejam em quem o Papa acredita! Tinha razão C.S. Lewis...

Para o Papa Francisco, seguindo a tradição bíblica, o Diabo não é um mito, mas um ser  real. Em uma de suas pregações matinais, na Casa Santa Marta, o papa afirmou que por trás do ódio que há no mundo em relação a Jesus e à Igreja está o “príncipe deste mundo”: “Com sua morte e ressurreição, Jesus nos resgatou do poder do mundo, do poder do diabo, do poder do príncipe deste mundo.

A origem do ódio é esta: estamos salvos e esse príncipe do mundo, que não quer que sejamos salvos, nos odeia e faz nascer a perseguição, que começou nos primeiros tempos de Jesus e continua até hoje”. Embora o diálogo entre nós seja importante , não é possível dialogar com esse “príncipe”; “podemos somente responder com a palavra de Deus que nos defende”.

O Catecismo da Igreja Católica dedica vários números ao diabo – por exemplo, quando se refere aos Anjos caídos, às tentações de Jesus, ao exorcismo, à necessidade da renúncia ao seu poder, ao domínio de Jesus sobre eles. "O mal não é uma abstração, mas designa uma pessoa, Satanás, o maligno, o anjo que se opõe a Deus. O ‘diabo’ é aquele que ‘se atira no meio’ do plano de Deus e de sua ‘obra de salvação’ realizada em Cristo” (nº 2851).

Seu poder não é infinito, pois ele não passa de uma criatura, “poderosa pelo fato de ser puro espírito, mas sempre criatura: não é capaz de impedir a edificação do reino de Deus”. Sua ação é permitida pela divina providência, “que, com vigor e doçura, dirige a história do homem e do mundo. A permissão divina da atividade diabólica é um grande mistério, mas “Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus' (Rm 8,28)" (CIC 395, ler, também, os números anteriores: 391-394).

São João Crisóstomo, bispo e doutor da Igreja († 407), escreveu aos cristãos de Antioquia: “Na verdade, não me dá prazer falar-lhes do diabo; mas a doutrina que é consequência dessa realidade será muito útil para vós”. Também eu penso assim; daí a razão desta reflexão.

Fonte: http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=289436
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...