terça-feira, 5 de outubro de 2010

O Homenzarão

O homenzarrão

- Mamãe, o que é um homem zarrão? Perguntou o menino atônito, parecia ter descoberto uma mata virgem e estar aflito por desbravá-la.

- Um homenzarrão é um homem muito grande meu filho. Respondeu a mulher de olhar perdido no horizonte, e meio sorriso em lábios.

- Iguais aqueles das revistas em quadrinhos e os desenhos animados da televisão?

- Sim meu filho, ou até maiores que estes!

O pentelho franziu a testa, como se tentasse buscar na mente informações que lhe atestasse a cerca do que poderia ser tal coisa, ao mesmo tempo em que ajuntava em seu vocabulário, palavras para construir sua próxima pergunta.

- O meu pai é um homem zarrão mamãe?

A palavra pai a fizera se desprender do presente, e mergulhar como que num túnel do tempo em seus pensamentos, em busca das melhores lembranças daquele que seu coração ama. Ela uma bela jovem de seus 30 anos que acabara de completar sem muita festa, sempre tentava responder a todas as perguntas e curiosidades do filho. Mãe igual a essa é difícil até de se imaginar, aos 15 anos se casou com seu primeiro e único homem. Ele, homem do campo, centrado no trabalho e perfeitamente dedicado à família. Sua baixa estatura nunca o incomodou, e jamais o impedira de trabalhar e nem tão pouco se divertir com a família.
Aquele era seu único filho ela o olhava deitado na cama e seu olhar parecia se perder na atismosfera do cronos, pensava no quanto os anos se passaram rápido desde o seu casamento e tentava medir o quanto aquele menino era especial para ela.
- Mãe, você não me respondeu...
A voz fina de menino falante, suave e rasinha como alguém cansado, arrancou-a pelos braços daquela espécie de viagem astral por seus pensamentos, e a fez recobrar a linearidade dos fatos.

-... O papai é um homem zarrão?

- Não filho, um homenzarrão é muito maior que seu pai, agora vá dormir que amanhã bem cedo o médico vai vir para olhar você.

O menino turciu por quatro vezes e se contorceu na cama, quando a dor aliviou um pouco tentou dormir, em seus últimos pensamentos antes dormir tentava desvendar o enigma: “Quem poderia ser tal figura maior que seus bravos heróis imaginários? E o que poderia ser maior que um pai?” À medida que se tornava mais difícil a resposta, seus olhinhos lentamente se entregavam ao sono que inevitavelmente vinha. A mãe, atenta o olhava com um profundo olhar de perda.

- Mãe, quando a gente sair daqui, você me leva para conhecer um des...? Resmungou o menino, já absorto no sono. Nem escutou a mãe dizer:

- Sim filho, claro que eu levaria...

A noite corria ironicamente calma, apesar da triste sentença dada pela medicina, ela enxuga suas lágrimas para tentar dormir, o dia próximo lhe reservava emoções muito fortes e ela precisava estar bem para suportar tudo.
Às três da manhã, hora em que devotos e resadeiras despertam para a primeira oração do dia, o menino em sonho teofanico abre os olhos e vê adentrar o quarto um ser estranho, alto e de beleza encantadora, podia se ver que sorria e em sua volta uma luz ofuscante sem ser agressiva. Minha mãe devia estar aprontando de novo, ela trouxe o tal homem aqui para eu poder conhecê-lo e não me avisou.
Ele vislumbrava com aquela visita, olhava para os lados e percebia que a mãe já acordada chorava, não conseguia entender o porquê das lagrimas maternas, mas o sorriso daquele que o olhava o cativava a se sentir perenemente feliz. Que mistério envolvia o olhar daquele homem, que atração magnética os tomava tanto um quanto a outro. O mais incrível é que Pedrinho, apesar da tenra idade não se assustava e nem se intimidava com a visão, e ver a mãe chorando, misteriosamente não o incomodava. Ele parecia tomado de uma plenitude de contentamento.

- Então você é o homem zarrão que minha mãe falou.

- Sim filho Eu Sou...

De repente a voz do conto se calou em minha mente e as palavras foram desaparecendo de minha caneta esferográfica, quando Yeshuah fez calmamente ressoar sua voz.

- Venha filho, já é hora, voltemos para o outro lado.




Em homenagem a Pedro Lucas. Tempo Quaresmal. Março de 2010.
Cláudio Roberto da Silva, estudante de Letras Unileste
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...